Awakú e as árvores que andam

Itàá originalmente publicado no blog do Ogbe Ogun (www.ogbeogun.blogspot.com)

Conta-se que no reino de Nàánàá Buruku ouvia-se uma história de uma erê que veio do outro lado do mundo para desvendar os mistérios das águas pantanosas. Awakú era seu nome. Ela viajava com outras êres em uma canoa que descia o rio lodoso. Ao fundo, escutavam-se cantigas como a “Òdì Nàánàá léssé, aiye aiye léssé” que saudava a sabedoria de Nàánàá. Um dia os ouvidos atentos de Awakú perceberam além da cantiga, um rangido ao fundo: “nhéque, nhéque, nhéque…”.

Curiosa com o barulho de madeira quase inaudível, Awakú assume a coragem de Ososi Erinle e pula da canoa rumo às árvores do pântano. Guiada pelo resquício do rangido percorre mata adentro em busca do misterioso som. Ela percebe que ao seu redor as árvores possuem longas raízes que se movem para fora da água milimetricamente, quase enganando aqueles que passam por lá, todo mundo acredita que as árvores são rígidas e estagnada no chão.

Awakú entende as artimanhas do pântano e entra na brincadeira, dançando devagarinho, fecha os olhos e segue o “nhéque” recolhido na mata. As árvores ao seu redor caminham ao lado da erê e em um instante a cercam, não a deixando continuar sua busca. Uma das árvores, bem alta, se aproxima e diz: o que procuras pequena Awakú?. Awakú corajosa, com um sopro anuncia: Quero encontrar quem profere este som “nhéque, nhéque, nhéque”. A grande árvore ri com a astúcia da erê e explica: a vida Awakú é para ti um paradoxo difícil de entender, por isso insiste em perseguir novas aventuras. Pois bem, estávamos a sua espera. Estendendo um tronco, a árvore suspende Awakú do chão em um convite para viajar em seus galhos. Percorrendo a mata, Awakú sente o vento em seus cabelos e guarda em sua memória cada árvore, folha e planta e cada ventania que acaricia suas costinhas e embala o caminhar das raízes no pântano. O som que antes estava abafado, agora faz-se macio, num “nhéé” carinhoso, de quem estava cansado de esperar. Awakú desce da árvore e coloca-se em frente ao som. O som era emitido por uma árvore anciã, que percorreu o rio até chegar ao mar. Que já havia visto todo tipo de espécie de bicho e de gente e que fez muitos amigos. Dela já brotaram flores, ela recebeu abraços e oferendas também. A árvore que sempre gostou de estar presente em cada início da vida agora sabia que deveria esperar com sabedoria seu próprio fim. Awakú também sabia o porquê foi guiada até ali. Quando uma árvore está cansada e já viveu milênios, emite o som para deitar-se sob as folhas caídas de Ossayin. Naquele momento a erê entendeu que o rangido era de paciência. Em um impulso, correu até a árvore anciã e a abraçou. “Mojugba gbagba mi”, agradeceu a erê. O silêncio pairou no pântano. Awakú afastou-se da árvore, acenou despedindo-se das demais, e partiu em busca de uma nova aventura.

Como diz um sábio bagbalorisa “somos todos infinitos e vivemos em cada labareda do fogo, das gotículas de água, dos grãos de areia que formam a terra e das partículas do ar”.

Da história da erê Awakú e sua busca pelo rangido no pântano, ensina-se ao povo que a morte é companheira fiel da vida e não devemos temê-la, pois ela faz parte do ciclo eterno de transformações que dão sentido à existência.

Salugba Iyá mi. Salugba Nàánàá.

Texto e imagem de Nàány Ofurufu, sacerdotisa do Orisá Nàánàá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s